quinta-feira, 31 de julho de 2008

John Hemingway: Hemingway, the Opera

John Hemingway: Hemingway, the Opera

Uma parceria entre Gerald Thomas e John Hemingway

Solidariedade com Ronaldinho e Hemingway

Esse é um artigo muito interessante do John Hemingway -- que me pareceu excelente pessoa -- sobre um assunto que já comentei aqui. Eu me manifesto também solidário a Ronaldo e Hemingway, nesse sentido.

Eu pretendo traduzir o artigo, mas resumo a ópera (está virando ópera, mesmo!) : John Hemingway fala, em seu livro Strange Tribe, "Estranha Tribo", ainda sem tradução em português, em como a bipolaridade da qual sofreu seu pai, Gregory, já estava de certo modo na figura de Hemingway. A imagem de macho ideal de Hemingway não correspondia totalmente à realidade, ou melhor dizendo, sua vida privada era infinitamente mais complexa. Gente como Marcelo Mirisola (fã da imagem ideal de Hemingway) está por fora, não leu Strange Stribe e não acompanhou os debates sobre Hemingway que se fazem na academia há alguns anos, sendo que até mesmo as feministas já o vêem de outra maneira.


Solidarity for Ronaldo and Hemingway

Living in Milan for as many years as I did, I learned a lot about “Ronaldo” or The Phenomenon as he is commonly referred to in Europe and in Brazil. Soccer is religion in Italy and when one of the two professional teams in the city, F.C. Internazionale Milano (Inter, for short), bought the Brazilian player in the summer of 1997 from F.C Barcelona the media barrage that covered the trade, and thereafter everything about Ronaldo’s life on and off the field, was intense.

Ronaldo

Yet, as famous as Ronaldo was, and continues to be, I never thought I’d see the day when he would be compared to my grandfather. Then in May a friend suggested that I have a look at a column on the Folha de Sao Paulo. The article, “Solidarity for Ronaldo and Hemingway”, was written by Contardo Calligaris, an Italian psychoanalyst and novelist. Calligaris (who lives in Brazil) said that he was surprised to see a message spray-painted at the entrance to a tunnel near a favela in Rio, Ronaldo’s hometown. Some of the soccer player’s fans had written that they “believed in his innocence” and that he would always remain their “phenomenon.” At the time, Ronaldo was at the center of a scandal involving three transvestite prostitutes who had spent a night with him in a hotel. He claimed that he had been tricked and that he had no idea that they were men. They retorted that he was just trying to get out of paying them.

Calligaris asked “but what kind of innocence are we talking about here?” Ronaldo hadn’t committed any crime and his status as a “phenomenon”, strictly speaking, was related to his performance on the playing field and not with anything he might have done in one of the city’s lesser-known hotels. Calligaris reasoned that for his fans Ronaldo wasn’t just a soccer player but also a “macho ideal” and that as such it was necessary for them to continue believing in his “innocence.”

He then said that he’d read my memoir, Strange Tribe, and pointed out to his readers that Ernest Hemingway, another macho ideal, was perhaps not entirely the man that everyone believed him to be and that he may have struggled as much as Ronaldo has recently in dealing with the contradictions between his public image and an infinitely more complex private reality.

Ernest in the 1950's

Of course, I hardly needed to be convinced. It was my book that he was talking about, but more than that I had seen what my father had gone through trying to live up to the macho image that Ernest had helped to create. Gregory had done all the things that people generally associate with being a Hemingway; hunting, fishing, drinking and womanizing, and there were times when he had even surpassed his father. At the age of eleven he tied for first place in a national skeet-shooting contest in Cuba, against adults. Gregory was an incredible shot and a chip off the old block, as far as Ernest was concerned. Any kid who could handle a gun that well had to be a real Hemingway. But there was more to being a member of this club of sharpshooters than met the eye. My grandfather and father shared a fascination with androgyny, or as Ernest had the protagonist of his posthumous novel the "Garden of Eden” put it, a search for “a more African sexuality, beyond all tribal law.” They were machos, but with a twist. Men more interested in finding a union of the sexes, than in living on just one side of the gender divide.

It was similarity that united them and which, at the same time, complicated their relationship tremendously. They were mirror images of each other, but being a real man has never been easy.


Solidariedade com Ronaldinho e Hemingway

Solidarity for Ronaldo and Hemingway

Living in Milan for as many years as I did, I learned a lot about “Ronaldo” or The Phenomenon as he is commonly referred to in Europe and in Brazil. Soccer is religion in Italy and when one of the two professional teams in the city, F.C. Internazionale Milano (Inter, for short), bought the Brazilian player in the summer of 1997 from F.C Barcelona the media barrage that covered the trade, and thereafter everything about Ronaldo’s life on and off the field, was intense.

Ronaldo

Yet, as famous as Ronaldo was, and continues to be, I never thought I’d see the day when he would be compared to my grandfather. Then in May a friend suggested that I have a look at a column on the Folha de Sao Paulo. The article, “Solidarity for Ronaldo and Hemingway”, was written by Contardo Calligaris, an Italian psychoanalyst and novelist. Calligaris (who lives in Brazil) said that he was surprised to see a message spray-painted at the entrance to a tunnel near a favela in Rio, Ronaldo’s hometown. Some of the soccer player’s fans had written that they “believed in his innocence” and that he would always remain their “phenomenon.” At the time, Ronaldo was at the center of a scandal involving three transvestite prostitutes who had spent a night with him in a hotel. He claimed that he had been tricked and that he had no idea that they were men. They retorted that he was just trying to get out of paying them.

Calligaris asked “but what kind of innocence are we talking about here?” Ronaldo hadn’t committed any crime and his status as a “phenomenon”, strictly speaking, was related to his performance on the playing field and not with anything he might have done in one of the city’s lesser-known hotels. Calligaris reasoned that for his fans Ronaldo wasn’t just a soccer player but also a “macho ideal” and that as such it was necessary for them to continue believing in his “innocence.”

He then said that he’d read my memoir, Strange Tribe, and pointed out to his readers that Ernest Hemingway, another macho ideal, was perhaps not entirely the man that everyone believed him to be and that he may have struggled as much as Ronaldo has recently in dealing with the contradictions between his public image and an infinitely more complex private reality.

Ernest in the 1950's

Of course, I hardly needed to be convinced. It was my book that he was talking about, but more than that I had seen what my father had gone through trying to live up to the macho image that Ernest had helped to create. Gregory had done all the things that people generally associate with being a Hemingway; hunting, fishing, drinking and womanizing, and there were times when he had even surpassed his father. At the age of eleven he tied for first place in a national skeet-shooting contest in Cuba, against adults. Gregory was an incredible shot and a chip off the old block, as far as Ernest was concerned. Any kid who could handle a gun that well had to be a real Hemingway. But there was more to being a member of this club of sharpshooters than met the eye. My grandfather and father shared a fascination with androgyny, or as Ernest had the protagonist of his posthumous novel the "Garden of Eden” put it, a search for “a more African sexuality, beyond all tribal law.” They were machos, but with a twist. Men more interested in finding a union of the sexes, than in living on just one side of the gender divide.

It was similarity that united them and which, at the same time, complicated their relationship tremendously. They were mirror images of each other, but being a real man has never been easy.


Poema de Pedro Du Bois

SOBRE O GESTO

Além do gesto, senhora, a importância

decide a vida. Estrangula o choro,

refaz o sentido.

Senhora, o choro retrai

a angústia em restante medo.

Fosse o sono a dedilhar

a corda imensurável da música

de fundo, senhora. O choro

é o carrilhão desabalado do relógio

ao findar da corda.

(Pedro Du Bois, inédito)

quarta-feira, 30 de julho de 2008

John Hemingway: Solidarity for Ronaldo and Hemingway

John Hemingway: Solidarity for Ronaldo and Hemingway

Testemunha Capilar da História

TESTEMUNHA CAPILAR DA HISTÓRIA


Eram confissões inconfessáveis, sobre os maridos e sobre si mesmas. Aquilo, vindo a público, seria Hiroshima e Nagasaki à enésima potência sobre o sossego respeitável do distrito de Azinhão. Podres de filhos drogados, performances vacilantes de amantes na cama, abortos de bastardinhos, desvios de verbas municipais, além, é claro, de miríades de comentários e maledicências menores sobre a vida alheia, sem força de escândalo.

Tinha deixado o gravadorzinho escondido, preso com superbonder embaixo da bancada repleta de tesouras, escovas, esmaltes e cremes. Acionou o Rec em Extended Play, o que significava no mínimo doze horas e meia de gravação digital ininterrupta. Todas as maxiperuas da city se aprontando para o casório do ano, fazendo unhas e pés, aparando as cabeleiras e disfarçando os buços. E doze horas dava bem pra várias levas de peruas, tendo-se em conta que ficavam quando muito umas três horas ali, tempo suficiente pra se botarem apresentáveis e darem lugar à leva seguinte de falastronas.

Havia detalhes, nomes e sobrenomes de praticantes de pecados a escolher, de todo porte e gravidade - veniais, capitais e mortais. A coisa era séria, material que usado em chantagem renderia bom pé de meia, daqueles de garantir o futuro dos netinhos.

Assim arquitetava enquanto varria o salão, juntando num só balaio capilar as variadas mechas do dia. Estava feita. Sairia do serviço e, hoje à noite mesmo, faria os telefonemas necessários para estragar a festa de todo mundo. Não tinha discussão: era botar o trecho comprometedor pra madame escutar e estabelecer preço pra manter a coisa inédita.

Sim, Deuzilleide enfim embarcaria na primeira classe para todos aqueles lugares que conhecia só dos calendários de quitanda ou de tanto ouvir as peruas falarem. Era direito, era justo. Pegou todas no contrapé, azar, fazer o quê. A dona Jade, por exemplo. Custava ser mais discreta, não passava pela cabeça que alguém podia espalhar a difamação que ia destilando, entre uma e outra pincelada de esmalte? Danou-se, tarde demais.

E o melhor é que a entrada de dinheiro seria vitalícia, um esparrame sem fim de dinheiro entrando na conta. Isso porque não reuniria todo o madamório pra mostrar as gravações de uma vez só, destruindo o aparelhinho mediante o pagamento. Afinal, quem garantiria que já não tinha outras cento e cinqüenta e oito cópias do conteúdo comprometedor guardadas a sete chaves em cento e cinqüenta e oito esconderijos diferentes? O plano era perfeito. Já se via ligando: “Dona Mafalda, meu sigilo pelos próximos seis meses tá vencendo hoje. É tanto. Pode fazer o depósito”. Gravadorzinho redentor, salvação da lavourinha de Deuzileide. Bastava agora descolá-lo da bancada.

- Ai que duro, acho que exagerei na cola... força, força, força... mais um pouco... agora vai...

Ploft. Deuzileide do céu, de um golpe o precioso submergiu no balde da faxina. Valha-me, Nossa Senhora. Ficou passando pano seco, mas nada do bichinho dar acesso às suas entranhas. O Power nem acendia. Quem sabe colocando debaixo do secador. Com mil penugens eriçadas, olha a cena... Deuzileide passando secador de cabelo no gravador carequinha. Se alguém entra e vê isso, é rua.

- Seca, seca, meu benzinho... seja um bom menino pra mãezinha Deuzileide, seja.

E ele foi. Virou a mais madame de todas, tem oito franquias do Bob’s, duas lojas de conveniência, Jaguar com motorista, cobertura novinha no melhor bairro da cidade e um salão de beleza. Aquele em que trabalhava.

© Direitos Reservados


Marcelo Sguassábia

Correio Popular - Campinas

Jornalzen - Campinas

O Municipio - São João da Boa Vista

Pedro du Bois

SOSSEGO

Posto em sossego duplico dúvidas.

Realizo o sonho de estar sozinho. Prospero

a idéia de estar perdido. Evoco o vento

sobre o telhado e me deixo ao ínfimo:

sou da perda o compasso riscado

em geografias. Passo em gestos

o destino em consideração a morte

abstraída ao amanhecer.

Em sossego esqueço o fogo: queimar

o corpo na lentidão da entrega. Afeição

e afeto. Discreto, sigo o caminho.

A solidão me objeta a presença e da imagem

não percebida o sossego me amedronta

em impessoalidade e desprezo.

(Pedro Du Bois, inédito)

meu blog:

ANA CLAUDIA CAVALCANTI: BELAS IMAGENS

ANA CLAUDIA CAVALCANTI: BELAS IMAGENS

Blog do Poeta Ricardo Aleixo

Um blog que recomendo:
http://www.jaguadarte.blogspot.com/

Caetano X Fidel

Caetano está com um novo disco e um blog em www.obraemprogresso.com.br
que traz a polêmica Caetano X Fidel. A história é assim: Fidel criticou a Caetano e a uma blogueira cubana num prefácio para um livro lançado recentemente. No blog a história está toda explicada.
Que Fidel resolva debater com Caetano e uma blogueira é ótimo. Um dia, quem sabe, ele terá um blog e virá até ao penetrália, quem sabe? Será um hombre nuevo, o hombre nuevo que meu amigo Laerte Braga espera.
Nem o governo Bush nem o Fidel são 100% em termos de direitos humanos. Caetano também não é cem por cento humanista, pois tem leituras de Nietzsche e Heidegger e vai no sentido contrário daquele humanismo tradicional, desconstruindo-o.
Ele repetiu uma afirmação ao estilo de Glauber quando disse que a CIA introduziu a idéia de que nosso racismo cordial é pior do que o apartheid. Então já pensou em como deve ser quente a agenda da CIA para a Venezuela, Equador e Bolívia? Caetano falou essa da CIA numa entrevista na Áustria. Caetas mistura muitas coisas. Sou a favor da política de cotas somente a curto prazo e quem me convenceu foi o depoimento de uma estudante de Filosofia. Ela, como negra, deu grande contribuição ao curso com suas críticas e vou transcrever o depoimento dela, que achei na Fundação Palmares, por aqui. Não sei o que as cotas têm a ver com a mística do rap. Acho que o discurso do hip hop e do rap têm todo sentido aqui, ou seja, o protesto. Isso foi bem antropofagizado por gente como Mv Bill. É algo orgânico e não vontade de ser americano. E outra: é preciso esclarecer que o papo de black power chegou via tropicália, na bagagem de Gilberto Gil. Caetas não compra, mas abriu para quem quiser devorar o discurso do rap. Ele força um pouco a barra repassando para os mais novos um certo discurso que foi feito contra ele na época da Jovem Guarda. Muita gente também não queria comprar as versões estilo baby talking que se fazia então. Até Adorno falou contra o baby talking a propósito da audição regressiva...
O apartheid força o sentimento de identidade: estão todos juntos no gueto. Já aqui no Brasil, fazendo uma pesquisa num bairro que foi supostamente um quilombo aqui em Bom Despacho, todos dizem: "sou moreno". É o discurso do conformismo e da indiferenciação. Na minha boca era algo muito positivo e eu não comprava o discurso afro-americano, afro-descendente. Cheguei a criticar duramente o Ric Aleixo, do blog Jaguardarte, por causa disso e ele teve a honestidade de publicar a carta em sua coluna Blequitude do jornal O Tempo. A coluna, na verdade, me influenciou: tinha ótimos comentários sobre Oswald de Andrade, tendo acompanhado o lançamento de uns recitais dele pela Funarte, disco que hoje eu gostaria MUITO de ter. E sobravam toques sobre gente bacana lá, tais como Jards Macalé. Desculpe, Ric, pela rudeza de imitar Glauber e te "patrulhar". Foi um transbordamento de amor e inveja criativa. Quero você sempre tangendo sua LIRA. Mas eu uso afro-descendente e usei para definir a origem da cidade: Bom Despacho Afro-descendente foi um artigo que publiquei na imprensa aqui. Foi melhor do que escrever BOM DESPACHO NEGRA. BOM DESPACHO PRETA. Já pensaram. Certos termos são moda, mas tem seu uso.
Caetano mistura as coisas e é natural que um dos lados reaja negativamente ou se aborreça, pois ele não fecha com um lado, não compra o "pacote".

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Blog do Neto do Ernest Hemingway (em inglês)

Esse blog é muito bacana e o John, que é amigo do Gerald Thomas, parece que entende português e espanhol. O blog é inglês.

http://johnhemingway.blogspot.com/

terça-feira, 22 de julho de 2008

Discutindo Filosofia, Astros, etc.

Publiquei dois artigos na Discutindo Filosofia desse mês. Parte de um deles, sobre a antropofagia oswaldiana, está em www.discutindofilosofia.com.br
Nesse artigo, fiz algo que não vejo quase ninguém fazer: dar continuidade ao projeto filosófico esboçado por Oswald. Schwarz, por exemplo, considera que o nacionalismo morreu em 64 e a antropofagia foi junto. Vinícius Dantas repetiu isso em artigo sobre Telefonema, que reproduzi aqui. Estou simplificando, mas foi isso. Haroldo de Campos desenvolveu o argumento em razão antropofágica, puxando-o para justificar suas opções concretas.
Aproveito para algumas considerações que precisava fazer há muito, mas ando com sinusite e blogando pouco ou nada.
O programa Astros, do SBT, parece uma versão trash de Ídolos, da Rede Globo, teoricamente um programa para encontrar novos talentos. Zapeando a TV, vi algumas pessoas se apresentando para o grupo avaliar. Os críticos de Astros humilham a crítica. Crítica não é humilhar a pessoa. E eles o faziam em bando, sistematicamente. Um tolo de óculos buzinava uma corneta, uma moça boba dizia besteiras, um barbudinho grisalho agredia gratuitamente os artistas, pessoas humildes em busca de uma oportunidade. Revoltante. Alguém tem de denunciar isso. Uma moça humilde que cantou Tina Turner -- imaginem, cantar sem música --foi chamada pelo barbudinho de "Gene Simmons" do Kiss. Outra, que cantou Por Enquanto, da Legião, com uma voz à la Cássia Eller, foi atacada diretamente pelo barbudinho nojento: "Você canta muito menos do que você pensa..." É cada coisa que a gente é obrigada a ver.
O Sílvio Santos também anda entrevistando travestis, que assisto por achá-los simpáticos. Entrevistou uma figura curiosa, cujo nome esqueci. Ela disse que ela não é drag queen. E que drag queen é assim: montada, é a Branca de Neve, desmontada, é o Dunga. E que ela, agora, desmontada, é a Sophia Loren. O Sílvio negou-se a dar o prêmio para ela no detector de mentiras, pois a máquina afirmou que ela poderia satisfazer uma mulher, coisa que ela negou com veemência. A mesma coisa com Roberta Close outro dia. Segundo a máquina do Sílvio, Roberta Close não tem orgasmo...
Denunciem o SBT para a Convenção de Genebra.

sábado, 19 de julho de 2008

Bárbara Tardia


Assim seja. Sob a névoa da alfazema e a providencial intercessão dos santos, amém a tudo e a todos - aflições, alívios, destemperos, calmarias. Haveria mesmo de chegar a hora e a idade em que o melhor era aceitar tudo. Desse jeito tinha de ser um dia.

Fechou a porta do oratório, caminhou até a sala e tirou da estante um livro que nada tinha a ver com o seu estado. Acendeu a lareira, abriu um vinho, sentou-se. O coração quieto, o ouvido atento ao crepitar da lenha, nunca esteve tão disposto a colocar alinhadinhos cada um dos pensamentos. Gostava do domínio linear das coisas, de dar ordenamento e organização a tudo. Tentou ler.. Via as palavras sem captar direito seu sentido. Poderia ligar o aparelho e ouvir alguma música, mas não se atrevia a pôr de pé seu ser plasmado na poltrona. Era a isso que se reduzia, uma vida fossilizada naquele ermo pastoril. O vento chicoteando a vidraça, as xícaras tremulando, o pó se acumulando sobre a farta biblioteca que seu pai deixou. Do Pequeno Príncipe a Sófocles. O cachorro se achega e se amontoa aos seus pés, aproveitando uma beirinha de manta. O vinho ia aos poucos laceando o raciocínio, dando corda aos devaneios. Viu o seu reflexo, distorcido, na prataria de família. Parecia uma figura de Modigliani. Acima da lareira jazia o retrato do avô com seu olhar de Torquemada, a ditar cânones e a citar genealogias.


Bárbara devia estar a caminho, disse que vinha sem falta. No oco daquele silêncio, escutaria de longe o carro quando estivesse chegando. Era uma doida, mesmo. Ria e falava alto pelos corredores longos e ecoantes do hotel onde tantas vezes se encontraram. Gostava dos escândalos, não tinha meias medidas, tudo precisava ser muito, intensamente e quando bem entendesse. Sempre foi assim, aprendeu a aceitá-la e a desejá-la sobretudo por aqueles seus defeitos. Ele próprio talvez fosse o maior defeito dela. Daqui a pouco o cachorro sairia dos seus pés e correria até a porteira, fazendo festa para a velha conhecida. Ela viria fresca, como se tivesse acabado de sair do banho. Mesmo depois das seis horas de viagem. Mesmo com as rugas vincando e o estrógeno já escasso. Mesmo com o bom senso dos parentes e amigos dizendo que não, que era loucura.


Segunda taça, já pela metade. Roía as unhas, Bárbara não chegava. Puxou o cordão, deixou semi-aberta a persiana. E pelas frestas iam passando novelos de muitas meadas, a se perderem em labirintos de hera. Sentia o ranger de uma roldana enferrujada em sua cabeça, que ia tirando devagar as querenças e desafetos do seu poço. Matar a sede não matava, mas revolvia a água parada - o que já era alguma coisa. Que pensamentos alinhadinhos, que nada. Ao olhar para as estrelas, deu um giro e perdeu o eixo. Só não caiu pois se agarrou com toda força num poema de Pessoa. Olhou o relógio: dez para as oito nos algarismos romanos dos cebolões, dos carrilhões dos mosteiros, dos cucos das tias velhas, dos digitais made in China. É isso, pensava ele, a única maneira da passagem do tempo ser de alguma forma bela: através dos lindos mostradores de relógio.


Bárbara sofreu, sim. Teve que se virar como pôde depois da morte do marido. Foi de repente, um assalto no semáforo. Nunca desconfiou de nada, o coitado. Acreditava que as saídas dela eram mesmo a trabalho. Crédulo demais. Imagina se ela, bibliotecária de órgão público, precisava viajar tanto. Nas tardes vazias do ofício foi que cismou de escrever. E escrevia escorreitamente, deitava no papel o que vinha à cabeça, sem caprichos de coesão, estilo ou nexo. Prosa desordenada, sempre em primeira pessoa. Às vezes mostrava a ele o que fazia. Não gostava nem desgostava. Sorria, de vez em quando elogiava, logo mudava de assunto, sugeria a volta pra cama.


Ele nunca quis escrever. Passava muito bem sem nenhuma idéia em mente. Durante alguns anos teve um diário. Cadernos que mantinha escondidos, depois relidos e prudentemente queimados. Pensava naqueles sujeitos todos, escritores que às vezes via em entrevistas na televisão, falando de inspiração e compulsão pela escrita, em anotar idéias nos guardanapos de restaurante, em ter insights fazendo a barba e outros clichês.

Elcius latiu e abanou o rabo. Era Bárbara que chegava, junto com Veridiana. Da cozinha, um cheiro bom de bolinho de chuva.Foram entrando sem bater à porta, Elcius se enfiando entre suas pernas. As botas de salto altíssimo batendo nos lajotões. A Bárbara de sempre, imperativa e dominadora, dando ordens aos criados.Há muito não via Veridiana.. Uns quatro anos mais nova que eles, observava com atenção cada detalhe da sala, pondo e tirando compulsivamente os óculos ovais. Enfim cedia aos insistentes convites de conhecer a estância.

Passava de meia-noite quando se recolheram. No leito, virando de um lado para o outro, a roldana enferrujada não parava de ranger. O barulho acordou as duas, no quarto ao lado. Não, não estava acontecendo. Bárbara e Veridiana, diáfanas e seminuas à sua frente. E não era sonho, tampouco efeito do vinho. Na manhã seguinte, contritos, foram os três ao oratório.

Poema

BRANCO

Alvo da investigação

miro o corpo

e atravesso as cores

onde se esconde.

Branco: o susto invade

o dia sem segredos.

Observo o olho semicerrado

com que a arma mira

o condenado.

Branco: a memória cede espaço

ao presente. O tiro parte.

Olho o alvo investigado

na constância do pecado.

Branco: intercalada cor

sem novidade.

(Pedro Du Bois, inédito)

terça-feira, 15 de julho de 2008

Poema de Pedro Du Bois: Aquele Homem

AQUELE HOMEM

Aquele homem contando suas moedas: repetição

em farsa decorrente de ouvir histórias. A manutenção

da memória como evidência e prova. As moedas

dentro da bolsa. O bolso recheado de pecados.

(culpa e remorso)

Sobre a colina entre tantas

repousa a árvore determinada

ao fracasso: a que seca

e não se reproduz em frutos:

sustentado corpo encordoado.

(as moedas roubadas

de imediato: rasgada a bolsa

rasgado o bolso

enforcado o corpo)

(Pedro Du Bois, inédito)

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Um conto de Maura Lopes Cançado: O Sofredor do Ver

Ando deveras muito preocupada com o que se passa ao meu redor. Não que tema morrer; em vez disso, sindo medo de me ver eternizada em bloco de pedra, ou mesmo continuar como estou: esperando, esperando, apenas esperando salvar-me dos rostos quadrados, fugir e encontrar pessoas com as quais possa falar, sem que minhas palavras se percam no vácuo, inúteis. Porque vivo sozinha num mundo cada vez mais estranho, fantástico, monstruoso. Não que as coisas tenham se modificado tanto. Desde menina este encarceramento me sufoca, minha coragem foi sempre formada do desejo de evasão, o desespero de fuga deu-me forças até hoje. Ignoro mesmo se existe um lugar onde se movam pessoas e esta dúvida pode ser a causa da crescente inquietação que me domina, pois ameaça ruir minha única esperança. Não: tudo se agravou mesmo depois da morte do espelho.

Não costumo sair de casa. Os dias são distantes, depressa, e quase nunca há sol. Habito um apartamento de andar térreo, um pouco escuro, ainda curante o dia, luxuoso e antigo, onde moram três outras criaturas. Ignoro porque moramos juntas. Conheço-as há pouco tempo. São mais ou menos parecidas com as que tenho visto, apesar de sabê-las mais perigosas - decerto pela proximidade. (Na verdade, gostaria de me mudar. Conheço, porém, a inutilidade das mudanças.) Falam demais, andam constantemente armadas, usam com ferocidade os dentes. Estão sempre gordas de razão. Esqueci-me de dizer que são mulheres, estas tremandas criaturas. Apesar deste detalhes, uma delas deixou crescer vasto bigode, que a tornou um pouco mais simpática, ocultando-lhe as presas, fortes, ameaçadoras. Ao levantar-me de manhã, para ir à cozinha fazer meu café, encontro-a, articulando a possante madíbula, no trabalho pertinaz da primeira refeição. Cumprimento-a delicadamente, esforçando-me em parecer afável. Tenho por resposta o rosnar ameaçador de como se protege a caça. Nem sempre consigo tomar até o fim o meu café. A criatura rosna impaciente, às vezes uiva, dançando pela cozinha, dando-me a impressão de grande exagero na sua manisfestação, creio, de alegria.

Volto ao quarto e me deito sob os cobertores, enquanto outra se veste rápida, precisa, para chegar na hora exata à primeira aula do Curso de Geologia. (Ocupamos as duas o mesmo quarto.) Antes de sair, faz ginástica. Conseguiu desenvolver de tal modo os músculos das pernas que, por várias vezes, julguei entrar um edifício inteiro pelo quarto, em sua construção exótica: pilares gigantescos sustentando pequeno tronco, enquanto a cabeça rodava, bola, distante e pequena como a cabeça de um alfinete. Após a ginástica arruma, sempre ráp[ida, precisa, a metade do aposento que lhe pertence, jogando, debaixo e mesmo sobre minha cama, grandes pedras, por ela colhidas diariamente nas praias. Pedras personalíssimas, quase vivas, que já me tomam a metade do leito. Encolho-me sob os cobertores, as pedras ocupando sempre mais espaço, atiradas pela intrépida criatura: mecânica-rápida-organizada. Gostaria de impedir que meu corpo se expusesse diariamente a estas pedradas. Não vejo solução, já que deitar-me sob os cobertores é a maior proteção por mim encontrada. Se abandonar o quarto, enfrentando olhares antropófagos nas ruas, corro o risco de, ao voltar, achar toda a cama tomada. E me sentiria impossível argumentar com as pedras, eu que sou destituída de qualquer senso de organização, mesmo iniciativa.

Não que me ache conformada. Tentei protestar uma vez mas a estudante continuou, so9lene, limpando os móveis. Depois, sem pressa, meteu-me uma grande pedra na boca, deixando tranqüila o quarto. Mais tarde, escutei-a relinchando na sala para as outras, que eu cacarejo demais e não sei marchar. Não a compreendi. Ainda assim fui possuída de grande raiva, tomei de uma arma esquecida por uma delas na dadeira, tentei atingi-la nas costas. Não consegui e terminei amarrada em trouxa dentro de meu próprio cobertor, onde passei dois dias. Ao libertar-me, grunhiu qualquer coisa, como sentir pena dos meus compromissos. Que ignoro quais sejam.

A terceira criatura é tirana - e muito boa pessoa. P:roibiu-me mover rápido a cabeça para os lados, temendo que o ar sinta-se demais agredido. Assim, ando pelo apartamento buscando ver sempre o que está à minha frente. Se me viro, faço-o com delicadez. Esse cuidado me traz em constante tensão. É uma mulher pequena, rosto quadrado, cabelos duros de torre; vai sempre ao cabelereiro. Costumo confundi-la com os objetos da casa.

Como já disse, evito sair à rua. Os edifícios me ameaçam, as mãos frias do vento me sufocam. Além dos olhares assassinos e da velocidade; pessoas enormes deslizam ruidosas pela cidade, conduzindo dentro delas outras pessoas. Posso vê-las quando arrisco meu olhar assombrado pelas janelas dos seus ventres.

Não prefiro coisa alguma. No entanto, saio às vezes, principalmente à noite. Vem buscar-me um ser que desconheço - embora venha buscar-me. Mostra-me os dentes, parece quase sempre irritado, joga-me porta a fora como se eu fosse um saco de abóboras. Costuma também relinchar, mostrando toda ferocidde nos dentes brancos. Nas ruas, busca proteger-me. Apesar de já me haver deixado sozinha, entregue às feras, habitantes de um certo subúrbio. Este ser talvez me quisesse dizer algo. Vejo-o luzente, vestido de alumínio, brilhando de noite à minha frente. Não seria sua maneira de rir? Indago-me se essa lata possui um coração.

Além dele, visita-me, não se para quê, outra criatura, um pedaço de tronco fino de árvore. Sentado à minha frente, discorre longamente sobre pulgas, galinhas e percevejos. Depois do quê, sai sem se despedir, encolhido em sua própria casca, morena, rugosa.



Ruas fervilham. Duelos se dão e todo instante. Mulheres se odeiam, beijando faces umas das outras. Muitas enxertam carne de vaca nas nádegas. Nem por isso perdem o jeito mau e duro de andar. Mostram as presas, se as olhamos dão constantes coices. Homens comem ávidos, o hálito podre provocando náusea. Mas é então que as fêmeas se agitam de todo, coiceam e relincham, movendo caudas e crinas. O asfalto queima.

Encolho-me no apartamento, sofrendo a presença das três horrendas criaturas. Gostaria de viver sozinha, ou pelo menos possuir um quarto, onde não me atormentassem tanto. Móveis animados passeiam o dia todo pelo aposento. Ouço ruídos esquisitos.
Tudo se tornou demais difícil depois do crime da futura geóloga, assassinando o espelho com uma pedrada. Considero esse crime a maior desgraça em minha vida, inútil, calada, vazia. Foi o espelho a única criatura humana que conheci. Desde a infância habituara-me a ele e não havia como temê-lo. Vê-lo diariamente, minha grande aventura. Contemplava-lhe a figura trêmula, hesitante, de olhos escuros, amáveis. O espelho possuía de medo o rosto branco. Tinha de medo o rosto. Aquele belo rosto quase sempre triste levou-me a admitir, em algum lugar, outros rostos, outras pessoas, outros medos, outras lágrimas. Esqueci-me de dizer que, se nenhuma dessas criaturas parece alegre, nenhuma também se mostrou ainda triste. É deveras sombrio. Existe em tudo grande ordem. Jamais vi alguém subir correndo uma escada, saltar dois ou mais degraus. Fazem-no um por um, meticulosos. Sou obrigada a seguir o que se estabeleceu ou desperto cólera. Começo a perder a noção do tempo. Acompanhando o crescimento do espelho acompanhei meu próprio crescimento. Vendo-o se transformar, tive consciência de minha infância perdida. Cada vez mais o espelho se tornava adulto, o que me obrigava a admitir-me também assim. Já não sei, mas talvez eu esteja quase velha. Tenho chorado muito. As caras de cimento armado acusam meu rosto molhado de deterioração. Mas é que tenho chorado. Diariamente tomo entre as mãos a caixa onde estão os restos mortais do meu amigo. E sofro. Sozinha, sem outro rosto, outra esperança, é-me impossível voltar a acreditar.

Do site e revista editado por Sônia Coutinho:
http://www.sidarta.blogger.com.br/2003_03_30_archive.html

Revista Cidade do Sol

Acabo de começar uma revista com meu pai:

http://lucemiro.tripod.com/revistacidadedosolbomdespacho/

Confiram.

terça-feira, 8 de julho de 2008

O Pai de Família e Outros Estudos

O Pai de Família e Outros Estudos, de Roberto Schwarz (resenha de Lúcio Jr.)

Relançado nesse ano de 2008 pela Companhia das Letras, o conjunto de ensaios O Pai de Família e Outros Estudos cobre um vasto período: de 1964 a 1978. O que salta aos olhos do leitor contemporâneo é o enfoque sociológico e o vocabulário marxista, sempre tratando de luta de classes, dialética, revolução, palavras de um pensamento distante do senso comum e, hoje em dia, banido da mídia e evitado por parte da intelectualidade e – aí uma grande diferença para o período coberto pelos ensaios – também uma parte da esquerda, que trocou-o pelo vocabulário de Foucault e Deleuze, ou mesmo por um socialismo cristão estranho a esse marxismo ateu e agudamente cético. Outra parte da esquerda, o Movimento Sem Terra, direciona simpatias para o nacionalismo dos anos 50-60, claramente evitado e descartado pelo marxismo de Roberto Schwarz, no fim das contas, o marxismo acadêmico por excelência no Brasil, sendo de talhe bastante original: foi gerado no famoso seminário de O Capital que deu até presidente da república de posição política situada no extremo oposto do marxismo. Deve-se ter em mente a principal característica desse marxismo: ele rompe com o antiimperialismo de esquerda, deixando de lado a esquerda nacional-popular (especialmente a carioca: ISEB e CPC da UNE). A antipatia de Schwarz estende-se também ao PCB, travando-o e impedindo até mesmo que ele escreva um ensaio sequer sobre os romances realistas socialistas de Jorge Amado. A muitos, atualmente, essa observação soará como elogio. Serve ao leitor que imaginar que essa crítica é uma crítica militante: não é bem o caso. As preferências estéticas são voltadas para o século XIX e reagem à vanguarda, ainda que elogiando alguns de seus expoentes (no caso desse texto, Kafka): preferem o realismo crítico pessimista de Machado de Assis.

Dentre esses ensaios, o mais citado e repercutido é o Cultura e Política 1964-69, que tornou-se bibliografia obrigatória para quem quer estudar os anos 60 no Brasil, embora seja uma visada que vai da ideologia à vanguarda, passando pela universidade. Vale por ser um texto crítico e não deslumbrado, mas seria também importante buscar outras informações sobre o Arena, Oficina, Cinema Novo, dentre outros. Porém, fornece uma comparação rica se lido paralelamente à visão culturalista/midiática de Zuenir Ventura sobre 1968.

O seu equívoco principal, ressaltado pelo próprio Schwarz, é que o país asfixiado pela ditadura em 1964 não seria muito diferente daquele de 1978, no que ele próprio admitiu estar equivocado em uma nota antes das “notas” primeiramente publicadas no Les Temps Modernes, a revista de Sartre e Simone. A publicação causou frisson na época. Caetano leu, gostou em parte, Glauber leu e respondeu irritado para a Veja, tentando polemizar com um Roberto que nunca o respondeu. A partir dele, passou-se a estudar o tropicalismo dentro da academia. A parte mais bem articulada é aquela em que ele analisa o teatro, que é uma área que ele domina melhor. Nas outras áreas ele basicamente antagoniza e critica a vanguarda dos anos 60, o que gerou reclamações de Caetano de que o esquema desse artigo seria empobrecedor (cf. Verdade Tropical).

O material do livro é eclético, só não tem Machado de Assis (a especialidade de Roberto). As críticas de livros são de amigos em sua maioria, comentados com simpatia: Zulmira R. Tavares, Paulo Emílio Salles Gomes. Há textos de combate político (folheto de Bertha Dunkel) e de combate a opositores do momento (o grupo de Júlio Medaglia e Damiano Cozzela, ligados a Haroldo de Campos, Augusto e Caetano Veloso), assim como o resgate de Kafka para a crítica social, provavelmente inspirado em Walter Benjamin. Incluem-se cartas, entrevistas e até mesmo uma estranha tentativa de ficção erótica (Utopia). Dessa variedade é que o livro tira sua originalidade e é a partir dela que mantêm vigor apesar do passar dos anos.

A vertente dita formalista da crítica literária também foi alvo de ironias. O maior problema com a crítica formalista é o método estruturalista, então muito em voga. Essa moda fez o grupo de Schwarz passar de uma posição revolucionária a uma de resistência. Portanto, ao contrário da imagem do marxista como radical, deve-se ler o marxismo desse texto como posição moderada, intermediária.

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Blog do Jorge Schweitzer

Vi agora uma citação do meu nome no blog do Jorge Schweitzer:

http://jorgeschweitzer.spaces.live.com/

O negócio foi o seguinte: fiz um monólogo absolutamente surreal que inventei inspirado na Blognovela do Gerald Thomas. O monólogo ainda está nos comentários do blog dele no ig, eu não tenho mais como retirá-lo depois de mandado. No texto, ficava claro que era tudo inventado; eu citei Jorge Schweitzer inspirado nessa entrevista que ele fez com o Gerald, no fim das contas, como ele diz, uma grande zoação.

Foi uma brincadeira, mas Schweitzer levou a mal. O verdadeiro objetivo era ironizar Olavo de Carvalho e mostrar indiretamente ao Gerald que eu tinha visto a entrevista. Gerald até agora não se manifestou. Jorge: você sabe que não foi um equívoco e sim uma brincadeira, já mandei um e-mail para vc pedindo desculpas, etc. Coloque um linque para cá no seu blog, para que seus leitores tenham acesso a essas explicações, pelo menos. Você não diz ter tanto compromisso com a verdade?

O fato é: assim como Gerald não gosta do Fidel, eu não gosto do Olavo de Carvalho. Ele tem talento filosófico, mas o desperdiça fazendo propaganda anticomunista barata, querendo fazer o debate político e cultural retroceder ao tempo da Guerra Fria.

Nesse debate entre Gerald Thomas e Reinaldo Azevedo, acho que o Gerald tinha razão desde o começo: não se deve igualar a ditadura militar brasileira, ilegítima desde o começo, com a revolução cubana, amplamente apoiada por toda a população, gerada pelo combate a uma ditadura. Se Gerald preferiu evitar o embate e reconciliou-se com Azevedo, tudo bem. Mas eu acho o Azevedo um blogueiro profissional, ponta de lança de um projeto de poder, agindo sem limites. Prefiro Luís Nassif. Prefiro Mino Carta, sabe, Schweitzer? Eles me parecem ter limites, agindo conforme uma ética. Prefiro.

Eu mesmo já fiz esse tipo de confusão. Já troquei acidentalmente Olavo de Carvalho por Otávio, confundindo-o com Otávio de Faria, escritor católico politicamente próximo ao integralismo. Como ambos são conservadores, misturei-os. Mas existe uma grande diferença de qualidade. Otávio de Faria escrevia bons romances e ensaios. Olavo não produz arte.


Hoje Otávio de Faria só é lembrado por ter colocado o personagem Roberto Dutra, no romance Mundos Mortos, apaixonado por um personagem chamado Carlos Eduardo. Numa biografia do Vinícius de Morais, o autor insinuava que Vinícius era esse personagem Carlos Eduardo e a partir disso especulava sobre a sexualidade do poeta. Foi uma grande polêmica na época (uns dez anos atrás ou mais). Eu li o romance em questão (Mundos Mortos) e garanto que Roberto Dutra nada teve com Carlos Eduardo: era algo platônico, que só existiu na mente de Roberto, nunca tendo sido externado. O texto, muito pudico, apenas dá a entender apenas que talvez Roberto se masturbasse pensando no colega.

Eu acho tudo isso apenas curioso e pouco relevante para entendermos o poeta Vinícius. Pode ter sido uma jogada do biógrafo, pois biografia em geral investe nessa questão da homossexualidade para vender: a do Paulo Coelho que saiu agora diz que ele teve uns três casos gays, a do Torquato que saiu há algum tempo especula uma paixão por Caetano, etc. Mas isso já não tem nada a ver com o debate acima...

Carta para Jorge Schweitzer

Oi, Jorge. Pode vir aqui quantas vezes quiser. Tenho o maior respeito com seu ofício de taxista.
Eu gostei da entrevista que você fez com o Gerald Thomas. Achei você inteligente e bem informado, além de bem humorado. Eu invejei Gerald Thomas, gostaria de responder uma entrevista daquelas, irrevente, bem humorada. Nela, você confundiu Olavo de Carvalho e falou "Otávio". Eu mesmo já fiz esse tipo de confusão. Achei gozado, eu acho que os erros são fonte de inspiração, como dizia Oswald de Andrade, é a "contribuição milionária de todos os erros". Daí, me inspirei para fazer um monólogo inspirado na blognovela do Gerald Thomas. Foi isso. Mas, como você se aborreceu, retirei a frase. Não foi nada pessoal, foi zoação e espero que você entenda com bom humor. Se quiser me zoar nesse blog, fique à vontade.

Atenciosamente, Lúcio Jr.




Jorge Schweitzer deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Carta Sobre Honneth":

Meu caro,

Já que você não se dignou responder sobre a inverdade que você publicou por aqui, tomei a liberdade de reproduzir em meu blog...

A Internet é fantásticamente democrática e não permite que se perpetue mentiras...

A seleção natural nos permite de tempos em tempos que idiotas se auto exilem da Rede...

O mais curioso não é a mentira pura e simples, mas a ignorância de imaginar que passaria sem que fosse percebido....

Muito feio, muito feio...

Se você nao ficou com vergonha, eu fiquei por você...

Lastimável...

domingo, 6 de julho de 2008

Carta Sobre Honneth

Olá Lucio...

Encontrar justificativas em Honneth para as cotas não significa necessariamente que ele tenha idealizado a proposta ou que seja o autor a partir do qual se concebeu a proposta.

Aliás, a questão das cotas é independente, em sua formulação, à proposta das ações afirmativas.

As ações afirmativas não se dão necessariamente pelas cotas "étnicas", que é um expediente que muitos partidários das ações rejeitam.

Já a a tese das cotas nasce em outro momento, embora por vezes tenha convergido com as ações afirmativas.

O melhor exemplo é o estímulo às cotas de emprego para deficientes em empresas públicas e para mulheres nos partidos brasileiros.

Pode-se atribuir a Rawls não as cotas, mas o embasamento conceitual para as ações afirmativas (ou compensatórias).

Aliás, no Brasil, a aversão às cotas não é universal. As cotas étnicas são mal recebidas, mas as cotas sociais em universidades contam com a simpatia até da centro-direita.

Evidentemente, a questão das "cotas étnicas" acabou sendo o bode na sala para que as cotas sociais fossem mais simpáticas aos opositores.

Sem uma, nem se discutiria a outra.

Lucio
escreveu:
De: Lucio
Assunto: Honneth e as Cotas
Para: wedenn@yahoo.com.br
Data: Sexta-feira, 4 de Julho de 2008, 13:45

Oi, Wedenn, posso estar até equivocado, mas o fato é que Honneth vem sido
lido assim, encontrei uma dissertação a respeito.
Eu acho que pode se depreender da análise dele a necessidade de políticas
públicas de reconhecimento, tal como as ações
afirmativas.
Se efetivamente o reconhecimento é o cerne das lutas sociais, sendo ele
negado a alguns grupos ou indivíduos, pode se depreender políticas como as
cotas, não?
Honneth é crítico de Habermas em vários pontos, portanto pode não ser
incompatível com Rawls.

Abraços do Lúcio Jr.

Caro Anônimo

Caro anônimo:

Roberto Schwarz acaba de abrir a FLIP dizendo que há livros que só tem o nome de seus pais (autores) em suas capas e mais nada. Mas eu, para me dirigir a você, nem sequer tenho teu nome, não é? Quem és?

Estou em tensionamento com essa tradição de escritores mineiros contadores de causo mesmo. E, de acordo com a carta que recebi do Giba e publiquei a seguir, parece-me que realmente a imagem de caipira foi vestida por Carlos Herculano para vender o livro no Jô. Não vejo problemas nisso nem o invejo. Eu não vestiria essa carapuça, afinal, vivo num meio caipira, acho respeitável, por exemplo, Guimarães Rosa, o dialeto caipira, etc. No entanto, essa carapuça no interior é lugar-comum.

Não invejo jornalistas: a maioria vive de frilas, sem carteira assinada, ou pelo menos eles se queixam de ter de mendigar frilas nesse monopólio de imprensa no País. É assim que eles falam nos bastidores. Fora os constrangimentos políticos, a censura e a autocensura, etc. Prefiro ganhar dinheiro com outras coisas e ter liberdade para ser eu mesmo como sou aqui nesse blog do que ter que "ser" o Aécio para ganhar a vida.

sábado, 5 de julho de 2008

Mediadores da FLIP não conseguiram domar o polêmico Fernando Vallejo

GUSTAVO MARTINS
Repórter de UOL Diversão & Arte, de Paraty
Era uma mesa que prometia soltar faíscas na Flip 2008: de um lado, o escritor holandês Cees Nooteboom, autor de "Paraíso Perdido" (Cia. das Letras) e conhecido por sua literatura de viagem, passada em diversos países; do outro, o colombiano Fernando Vallejo, que vive no México há 25 anos mas ambienta todas as suas histórias em Medellín, em livros permeados por virulentas críticas à igreja católica e ao governo. À primeira vista, seria um embate entre as visões de um pacato europeu viajante e um raivoso polemista latino-americano (que já dera uma amostra de sua verve ao comentar o resgate de Ingrid Bettancourt), mas as provocações de ambos os lados foram contornadas com classe e bom-humor.

Méritos sejam dados ao moderador escolhido para a mesa, o crítico de arte do "Financial Times" Ángel Gurría-Quintana, que soube controlar os impulsos de Vallejo em responder só o que lhe interessava. À primeira pergunta que recebeu, "Qual a importância do lugar em sua literatura?", Vallejo respondeu com "Quero agradecer muito pelo convite para a Flip e prometer que não vou falar mal de ninguém, nem do papa, nem do governo, nem de futebol, nem do Lula, que [em tom irônico] erradicou a fome no Brasil. Eu invejo o país de vocês, que tem um presidente alegre, gordinho, o nosso [Álvaro Uribe, presidente dá Colômbia] é um baixinho mirrado, triste". Gurría insistiu duas vezes na pergunta, que Vallejo finalmente respondeu com "o lugar não tem importância nenhuma".

Cees Nooteboom interviu, dizendo que havia conversado com Fernando Vallejo pela manhã e o colega era "pura gentileza, mas muito furioso". "Vallejo me lembra uma frase de Francis Bacon, o pintor, cujos quadros se parecem muito com sua obra. Uma vez lhe perguntaram no quê acreditava e ele disse: 'Eu não acredito em nada, sou um otimista'."

O holandês comentou em seguida que já havia visto muita coisa ruim no mundo em suas viagens, mas recomendava a quem não acredita realmente na humanidade dar um tiro na cabeça - "Afinal, você é livre para partir". Vallejo revidou: "Bem, meu colega Cees nasceu na Holanda, então não é à toa que precisou viajar pelo mundo para escrever. Eu cresci em Medellín, por isso tenho essa opinião". Ao que o mediador Gurría-Quintana interveio, com astúcia: "Ah, então agora você está respondendo minha primeira pergunta?". Aplausos efusivos na platéia.

Rogério Cassimiro / Folha Imagem
O escritor holandês Cees Nooteboom recomenda o suícidio àqueles que não acreditam na humanidade (05/07/2008)
PROGRAMAÇÃO DAS MESAS DA FLIP
FLIPINHA E DAVID SEDARIS EM PARATY
ALMOÇO COM O PRÍNCIPE D. JOÃO
NEIL GAIMAN SE ENCANTA PELO CURUPIRA
Rituais e métodos
Desse ponto em diante, o debate versou sobre o processo de criação de ambos os autores. Fernando Vallejo comentou sobre sua eterna briga com os narradores oniscientes em terceira pessoa ("Como o filho do vizinho de alguém pode saber o que todas as pessoas estão pensando?") e afirmou que foi à faculdade de Filosofia e Letras em Bogotá para aprender a escrever, mas "não serviu para nada".

"Tive que me tornar um autodidata, e só fui entender a escrita quando percebi que em todas as línguas existe o registro coloquial e o literário, e neste último uma série de construções que se repetem desde os tempos da 'Ilíada' de Homero", disse Vallejo. Para o colombiano, se um autor consegue criar uma palavra nova em vida já é muito, como no caso de seu título mais recente no Brasil, "Despenhadeiro". "Em espanhol, o título é 'Desbarrancadero', que vem do verbo 'desbarrancar', mas não existe como substantivo. Aqui foi traduzido dessa forma, mas acho que o certo seria 'Desbarrancadeiro' mesmo."

Vallejo diz que continua escrevendo sobre a Colômbia porque o México, para ele, é um "país alienígena". Já Cees Nooteboom disse que gosta de "cair de pára-quedas" em um lugar para tentar compreendê-lo, ou pelo menos mostrar uma visão sincera sobre ele. "Quanto mais você viaja, mais percebe que todos os lugares são complicados. Se você fica muito tempo em um lugar, começa a ficar muito difícil descrevê-lo direito."

Nooteboom ainda escreve seus livros à caneta, em cadernos especiais ("Já comprei um estoque para até o fim da vida"), e afirma ter uma regra pessoal de escrever pelo menos 500 palavras por dia quando está trabalhando. "Se o trabalho está fluindo muito bem e eu já estou chegando nas 600 palavras, começo a ficar supersticioso e paro, faço uma anotação de onde devo seguir e continuo no dia seguinte", afirmou. Entre seus hábitos para o ato de escrever também estão acordar cedo e ouvir prelúdios do compositor russo Dmitri Shostakovich, "para entrar no clima".

Sobre sua formação, Cees Nooteboom - que tem passagens em seus livros freqüentemente classificadas como "metafísicas" - disse não lamentar ter tido uma educação católica, por ordem de um padrasto, apesar de ter sido expulso de diversas escolas e não se considerar católico atualmente. "Pelo menos eles me fizeram ler os clássicos", disse o escritor, que nunca completou o colegial nem fez faculdade.

Foi a oportunidade para Vallejo soltar outra de suas frases: "Não se pode considerar que existe 'educação católica', porque o catolicismo é, em si, uma barbárie". Nooteeboom, bem-humorado, respondeu com uma conversa que ambos tiveram no dia anterior: "Nós estávamos almoçando eu disse para Vallejo, que é vegetariano, que eu compreendia sua decisão mas preferia continuar 'mantendo contato' com o mundo animal. Daí ele me falou que eu iria para o inferno. E eu respondi: 'Bom, pelo menos vou encontrar pessoas interessantes por lá'".

Carta de Giba

Oi, Lúcio, como vai!
Obrigado pelo aviso da postagem. O problema é que há dias venho tentando acessar seu blog, mas sempre que faço isso meu computador trava. Só consigo ver parte do primeiro texto. Não sei o que pode ser. Você sabe?
Li um pedaço do texto em que você fala do Carlos Herculano Lopes. Eu gostei da entrevista dele no Jô pelo que ela tem de prosaico, engraçado. Mas entendo você. Também senti o mesmo em relação à postura de escritor. Mas senti isso porque assisti a uma entrevista dele no Espaço Aberto, com o Ediney Silvestre, e ele, Herculano, tinha uma postura diferente, falava como escritor mesmo.
Acho que ele, no Jô, realmente vestiu uma carapuça de mineiro contador de causos (rs).
Mas, não se preocpue, meu caro. A literatura brasileira não seria a mesma sem Minas Gerais. O acervo literário de seu Estado é tão grande que Herculano fazendo papel de vendendor de queijo não arranha sequer uma letra.
É isso.
Grande abraço!
Gilberto

2008/6/30, Gilberto Gomes Pereira <gilbertogpereira@gmail.com>:
Muito obrigado, Lúcio!
Abraço!
Gilberto


2008/6/30, Lucio <lucio@bdonline.com.br>:

Caro Gilberto:

Obrigado mais uma vez. Quero agradecer enviando a você a senha para acessar
o conteúdo on line da revista de cultura japonesa Zashi, onde existe muito
material sobre literatura, hai kai, tanka, etc


Login junho _2008

Senha gunma

O endereco esta no meu blog.

Abracos do Lucio Jr

Abertura da Flip vira aula com leitura de Schwarz sobre Machado de Assis


LIGIA BRASLAUSKAS
Editora-geral da Folha Online

"A melhor forma de elogiar Schwarz é ler sua obra". Essa foi a frase usada por Hélio de Seixas Guimarães, professor de literatura da USP (Universidade de São Paulo) e autor de "Os Leitores de Machado de Assis", para apresentar o crítico literário Roberto Schwarz, uma das maiores sumidades em Machado de Assis (1839-1908), que fez a abertura oficial da 6ª Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), cujo homenageado deste ano é justamente o bruxo do Cosme Velho.

Schwarz leu texto inédito, de sua autoria, para sala lotada da Tenda dos Autores. Em suas palavras, traçou um perfil de Machado de Assis, baseado em "Dom Casmurro" (1899). A apresentação de Schwarz, didática e rica, elogiou os títulos de abertura da obra machadiana, dizendo ser "um melhor que o outro".

Para o crítico literário, o título do livro é um processo de várias etapas, como antipatia social, desfile por bairro pobre, desfile por bairro rico, homenagem a um amigo. Fez uma comparação interessante ao levantar a hipótese da troca da palavra livro por filho, explicando que isso dá à obra de Machado de Assis um outro clima, mais alto, mais quente. "Há livros (filhos) que não terão mais do que o nome de seus autores (os pais)".

Schwarz desenhou em palavras o trajeto dos temas de "Dom Casmurro", levando o público a imaginar começo, meio e fim de forma instrutiva. Comparou a loucura de que é capaz o homem em situação de ciúme, citando o feito de Otelo a Desdêmona --a tragédia "Otelo", de William Shakespeare (1564-1616)--, devido a um simples lencinho, e perguntou: "O que deveria fazer Bentinho a Capitu?", recomendando, com o questionamento, uma avaliação cuidadosa da atitude de personagem ciumento de machado.

A partir daí, Schwarz discorreu sobre a febre do ciúme, sobre classes sociais, o poder patriarcal e sugeriu três formas de leitura para o livro de Machado de Assis -uma romanesca, outra patriarcal e policial e, por fim, de efeito contra a corrente, cujo narrador é o próprio réu.

O crítico também esquadrinhou a obra sob o olhar de outros admiradores e estudiosos de Machado de Assis, delineando um perfil ricamente exposto sob diferentes formas de análises, observando o conteúdo patriarcal captado no ciúme e na truculência de Bentinho, e no conteúdo social, cumprido na doçura e beleza de Capitu. Para ele, é a postura patriarcal incrustada na sociedade exposta na obra machadiana.

Schwarz também falou sobre o início da carreira de Machado de Assis, dizendo que foi ela "muito ruim". "Os quatro primeiros livros foram muito fracos, a partir do quinto ele passa a ser genial."

Ele classificou como ousado e genial o procedimento literário de Machado de Assis de escrever na primeira pessoa do singular para escancarar o perfil "perfeito" da sociedade. "É como se imitássemos o lado ruim do outro como forma de mostrar a ele aquilo que não gostamos, simplesmente por não termos a coragem de apontar o dedo e dizer na cara dele aquilo que não nos agrada".

Questionado sobre a influência de José de Alencar na trajetória machadiana, Schwarz arrancou risos do público quando, de forma simples e direta, disse que Machado sempre reconheceu a importância da obra de Alencar, mas que a usou para mostrar ao próprio Alencar como é que se fazia a coisa direito. "Ele [Machado] mostra [em sua obra] como Alencar é bocó, e como ele [Machado]conta a história de forma boa", disse.

Quinta

Nesta quinta-feira, quem já estiver em Paraty poderá assistir a discussões em várias mesas que ocorrerem durante o dia. Os grandes destaques internacionais desta quinta são a psicanalista francesa Elisabeth Roudinesco, a portuguesa Inês Pedrosa e a inglesa Zöe Heller.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

O Curió do Carlos Herculano Lopes

Vi a entrevista do Carlos Herculano Lopes no e não gostei muito. Papai tinha aqui O Sol nas Paredes, primeiro livro dele, de contos.

Achei que, talvez intencionalmente, frisou a imagem do mineiro como um sujeito roceiro, andando de ônibus, catando curiós para vender, vendendo um queijinho aqui, outro ali, entre um artiguinho e outro no Estado de Minas. Deu a entender que talvez ele ganhe mais com os queijos e curiós do que com as crônicas que ele agora está lançando, entre uma viagem com passageiros de pés fedorentos (parece que ele trata de chulé) e outra.

Deve fazer parte da imagem que ele quer vender. Nos anos 90, tive contato pessoal com ele a propósito do lançamento da resenha de O Ajudante, de Robert Walser, traduzido pelo Zé Pedro Antunes. Carlos Herculano sapecou o texto assim: "Chega, com cem anos de atraso ao Brasil, o texto de Robert Walser..." Zé Pedro reproduziu a resenha, mas percebendo o exagero provinciano (Walser é pouco conhecido até na Suíça) suprimiu esse intróito.

Web Site do Rodrigo Duarte: Uma Lembrança

http://www.fafich.ufmg.br/~roduarte/


Vou postar esse mais a título de curiosidade, por não ter encontrado nada biográfico a respeito de Rodrigo Duarte nos blogs. E devido ao fato de ele não ter um blog, claro.

Rodrigo Duarte é um adorniano intenso e apaixonado. A base dele é Marx, que ele estudou ainda no tempo do marxismo do socialismo real, início dos anos 80.

Depois ele passou para a influência da Escola de Frankfurt, sem a virada linguística, o que irritou filósofos como Paulo Ghiradelli, que já comentou que, em seu antigo site, que Duarte recusava a linguistic turn sem bons argumentos.

Rodrigo foi um bom professor, mas desapaixonado. Ele parecia um pouco entendiado ao ensinar Ética na graduação. Ensinar em graduação não é fácil, mas eu não lembro quase nada do curso. Só me ficou na memória o fato de que Rodrigo foi o único professor a falar de Nietzsche sem desdenhá-lo, em sala de aula. Vendo o website dele, vejo que ele tem um artigo belo sobre Adorno e Nietzsche. Que bom, salvei para ler mais tarde. Tenho o livro Nove Adornos e estou lendo o texto de Rodrigo sobre Habermas: ele tem, sim, argumentação para responder ao Ghiraldelli. No texto, Rodrigo pontua, inicialmente, a divergência entre Adorno e Habermas a propósito do legado de Max Weber. Se Habermas seguisse o mestre Weber fielmente, parece insinuar Rodrigo, não teria ilusões como a razão comunicativa.

Rodrigo também voltou da Alemanha simpático ao pensamento brasileiro, no início dos anos 90. Ele frisou a influência de Nietzsche em Graça Aranha, por exemplo, o que me levou a ler o livro anos depois.

Os alunos, em sua maioria pobres, insinuavam que Rodrigo era "aristocrático" e "almofadinha" e apelidaram-no jocosamente "Catatau". Adorno também já foi chamado de elitista. Uma aluna cinéfila brigou com o Rodrigo a propósito do cinema. Ela se baseava no Deleuze e o Rodrigo dizia: "leia a Dialética do Esclarecimento, leia!". Rodrigo promoveu um programa sobre o Adorno músico e simpósios sobre a morte da arte, foram iniciativas interessantes. Outro dia vi o Rodrigo no cinema: ele estava na fila do filme Edifício Master, do Eduardo Coutinho. Ele aparentou certo constrangimento, eu não. Tem mais é que ver cinema de qualidade mesmo!

Blognovela do Gerald Thomas

Telefônica em Sampa interrompe comunicação e cria confusão entre o elenco e autor/diretor.Elenco dividido fica perdido entre pedir desistência ou ir prá Flip, e assistir os Fractados Fragmentos Beckettianos de Peter Brook.

Existem ainda aqueles que insistem em dar um pulo em Bogotá pra abraçar a Ingrid Betancour.

Gerald – Loucura tudo isso.

Lucio Jr – Numa hora dessas é preciso manter ….

Helen – Quero ir ver o Tom Stoppard em Paraty!

Gerald – Pois é, uma das melhores peças dele ninguém menciona: “Every Good Boy Deserves Favour”

Rio Maynard – Teu inglês não tá errado? Não é “A” favor”?

Gerald – Ai, meu saco! Não, não está. Com Beckett é “All Strange Away” ou “Imagination Dead Imagine” ou “For To End Yet Again”. Mas não vou entrar…

Vamp – Que nome estranho esse teu, Rio. Nada feminine.

Rio – Mas nessa escuridão, quer me apalpar? Se você conseguir me achar, eu deixo.

Vamp – Meu negócio é o pescoço!

Rio – Sabia. O negócio é patológico.

Gerald – Stoppard espalhou atores no meio de uma orquestra no meio do Royal Festival Hall, era Every boy deserves favour, com “u” que é como se soletra na Inglaterra.

Patrick Grant – Let the boys go see Brook doing the old Beckett tricks. It won’t hurt. (switching para português….. parte do elenco concorda: “Queremos ir ver o Peter Brook encenando os Fragmentos fragmentados de Beckett em sua simpliciade única, a última consequência e levados à secura e essência quase que como no ? Nu descendo a escada” de Duchamp”

Gerald – Nossa!

Lilian – Acho o orgasmo uma mentira!

Carlos – (a voz vem de algum lugar, provavelmente do PA) “Estarei me comunicando por ondas curtas, ou seja, mensagens perdidas no rádio e cheias de chiado. Postei uma mensagem invisível no blog antigo e extinto do UOL agora mesmo. A página aceitou a mensagem normalmente e portanto comprova a existência de mais um limbo na Terra.

Valéria – Fuck! Eu não fui pra South Beach! Eu não fui pra South Bitch! Como junkie da história, ofereço uma bebidinha pro Vamp. Aí a gente tranca ele no camarim. Agora só vai faltar um ganso. Se não arrumarem um ganso, o Fábio compra uma galinha e alguém faz o bico de papel machê.

Gustavo – Êpa! Esse texto é meu. Vim de longe. Esse texto é meu.

Gerald – Ih meu deus! Acho que vou ter que dar um “restart” no meu computador. Voltamos a um capítulo anterior.

Vamp – Não, não voltamos. É que você está esquecendo do defunto aqui. Não está deixando a Dra. Paloma fazer a autópsia porque a Ana Carolina duvida que…. bem, ela acha que, bem…ela diz que “morreu, morreu, pra que precisa de autópsia?”.

Paloma – Verdade Vamp. Não haveriam Médicos Legistas, não haveria o tal chamado “Medical Examiner” ou “Coroner” e nem aquela série antiga Quincy com o Klugman, aquele do “Odd Couple”, junto com o Tony Randall, baseado naquele…

Vamp – Quincy Jones, claro! Era casado com aquela “gata”, a Natasha Kinsky!

Sandra – Cruzes! Ela “fazia” sexo com o próprio pai, o Klaus.

Gerald – Taí, um assunto que me interessa.

Sandra – Perverso! Também vou pra Paraty.

Gerald – Mas isso aqui é uma investigação profunda sobre o ser humano: volto ao que Grotowski disse: Tem que se ter um pé na merda e outro na lama.

Sandra – Nojo! Minha amiga voltou do Rio cheia de furos de balas perdidas. Um horror. Ainda tenho que aguentar isso que você diz.

Gerald – Sandra, mas o teatro é isso…

Sandra – não fala comigo agora, estou sensi…

Vamp – Ouve o Gerald querida, ele sabe o que…

Sandra – Me deixa, eu não sou Miami! Presta atenção na morta. Raiz(50%)vivo+raiz(50%)=morto. Pronto

Fabio – Nossa Sandra quântica! Não quer saber de se aprofundar no ser humano! Eu acho isso ÓTIMO Odete. Você deve estar horrorizada, né? Não tem coragem de sair do seu escondenrijum! Eu vou é animar aquela Colômbia com a Festa que taum dando pra Ingridi Betancour.

Andrea N. – Eu vou é pro deserto, dar um tempo! Chega de teatro. Entrou um tal de Plinio mal educado. Ih, recalcado…tadinho.

Helen – Acho que eu atraio esse tipo de gente com as minhas orações!

Ruben – Gerald, esse texto tá muito muito grande! Pombas!

Gerald – É uma versão enxugada de Guerra e Paz, não, desculpa, é de Crime e Castigo. Você achou grande? Peraí. O Guzik sumiu. Patrick are you still with us?

Patrick – I am, indeed.

Gerald – And Ellen, are you there?

Patrick – I think (if I’m not mistaken) that she had better things to do, dude. Sorry to have to tell you that.

Gerald – Fuck! It’s just fine Patrick, just FINE. Tomorrow is Independence Day right? I Love this date….and being that we live at…never mind… And Gustavo, e você?

Gustavo – Paciente né? Como um bom ator.

Gerald – Paloma, é o seguinte: por favor, com muita calma, muita calma mesmo, comece a fazer a autópsia do defunto. Daqui a pouco, quando a luz voltar, eu ligo a câmera e faço uma conexão com o Tas, e com a Flip, e a gente faz a primeira AUTÓPSIA pós-moderna, iconoclástica, ao vivo, de uma traveca…

….Elenco murmura “nossa que mudernu..que antrupufagicu…qui antroposoficu quicumanicu.”

Gerald – ….e transmite ao vivo pro Stoppard ver. Logo pra ele que não nos conhece, mas que escreveu “Dirty Linen” e “Jumpers” e tantas outras coisas geniais….vai ver um BAFÔMETRO sendo extraído pouco a pouco.

Lilian – Pouco a pouco, isso vem, vem…. Pouco a pouco, ooops. Sorry!

Gerald – Pouco a pouco surgindo de um morto ou morta. Isso, sim, será um triunfo do teatro pós-pós-pós-pós moderno, mais que (nomes me faltam) mais que (palavras me faltam).

Ruben – Tchecov?

Gerald – Porra, nao me sacaneia.

Vamp – Durrenmat?

Gerald – Pombas!

Gustavo – Uma leitura de Heiner Mueller sobre Janete Clair, lida pelo Chico Anysio! Chamem a Olivia Benson da Law & Order SVU! O Gerald vai cometer um estupro aqui na morta!

Gerald – Saco, vocês! Ah, já sei. Mais pós-moderno que a Pina (Bausch) provando que o Tanztheater não existe mais na Kulturwelt, e que Adorno está de fato um trapo dentro das…

Elenco – Pára com isso, G! Voce não vê que a Paloma já cortou metade do corpo, e encontrou uma carta endereçada a VOCÊ?

(Gerald, a luz de uma única vela – um lux – se aproxima da carta e do cheiro inácreditavel de morte, e lê as seguintes palavras….”You are trapped”. Depois percebe que adiante tem um “S” isolado que, colocado na frente da palavra piora ainda as coisas. “You are Strapped”)

Gerald (acordando numa cama de hospital numa Ilha do Caribe, com o elenco em volta) – Who am I? Who are you? What am I doing here?

Gerald – Fabi? Ana Carolina? Cacá? Pancho? Cláudia? André? Fabi? Ana Américo? FDR? FDR Drive? Rosemarie? Frau Schneider? Raul? Holcer? Hey! Hello? Hello?

O Pesadelo começa de verdade. Tudo até então era mentirinha. Estamos em Trinidad e Tobago, num hospital de…Pânico momentâneo e caribenho. Muitos morcegos sobrevoam o hospital berrando “Frase da semana” “Farsa da semana” “Frase da semana” Gerald tapa os ouvidos. Entra em semi-coma.Não percam a parte 7 da BlogNovela, a primeira novela da internet.

Enviado por: Ana - Categoria: BlogNovela