quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Blognovela revista cidade sol: onze setembro, tudo beckett?



(A propósito do aniversário do World Trade Center, Cláudio resolve se vingar de Hamlet-Nascimento. Ele promove um debate sobre os ataques de Onze de Setembro e Hamlet-Nascimento é obrigado a polemizar com um ele sobre World Trade Center. Cláudio assume posições comunistas, irritando Hamlet-Nascimento. Francinny e Ofélia interagem na plateia. A repórter do Sistema Brega de Tevê media o debate e faz perguntas tolas. Quando os dois polemizam, ela encerra o debate fechando as cortinas).


Repórter Sonsa: E então...Capitão Hamlet-Nascimento, pois é...o impacto da imagem segundo Stockhausen...

Hamlet-Nascimento: Ora, o impacto da imagem! Vá ler Barthes!

Cláudio: Hamlet, o ataque ao World Trade Center não foi um ato terrorista, querido. Foi um ataque de nossa guerra contra o conglomerrado terrorista e sionista Israel/USA.

Hamlet-Nascimento: Eu não vou responder essa pergunta. Ela não prova nada. Eu me alistaria nas forças armadas americanas naquele dia.

Cláudio: Ora, você sabe que o atentado foi porque existiam tropas americanas na Arábia Saudita e eles retiraram suas tropas de lá depois disso.

Hamlet-Nascimento: O ser humano é predador por natureza. Temos que deixar de comer carne e comer alface. Deixar de especismo e pensar nos direitos animais.

Dramatuto (da plateia): Na minha peça O Nascimento de um Palhaço...(o debate prossegue).

Cláudio: Vou cometer um ato canibal agora: George Bush sabia do atentado? Porque Gore Vidal...

Hamlet-Nascimento: Ih, não me fale desse cara. Ah, não. Achei que as perguntas fossem inteligentes, Cláudio...Olha, nesse dia eu fui bombeiro lá naquele buraco, sabe? Eu também estive no Woodstock, estive lá quando o Muro de Berlim caiu, eu sou onipresente, eu...eu...eu...


Cláudio: Quero ver suas fotos nesses lugares.


Repórter Sonsa: A soberania, a soberania americana sobre o mundo ficou abalada com a queda das Torres Gêmeas, Capitão?


Francinny (da plateia): Ô, Hamlet, responde senão você vai ter que devolver seu cachê.

Ofélia: Hamlet, responda, querido, senão vou ter que virar faxineira do teatro para pagar as contas.

Hamlet-Nascimento: O povo americano é o melhor povo do mundo. Eu quero lutar no Afeganistão!

Repórter Sonsa: Os talibãs tratam as mulheres muito mal...Obama Bin Laden está morto. Foi morto via teleconferência...

Ofélia (nervosa): Então vai! Que pena que você não estava nas Torres Gêmeas naquele dia.

Hamlet-Nascimento: Tirem o microfone da mão da Ofélia, por favor.

Repórter Sonsa: Na ponte do Brooklin você sente assim, um alívio por estar saindo de Nova York, onde podem ocorrer ataques terroristas?

Cláudio: Seu negócio é tomar cervejinha com Barack "Banana".

Francinny: Isso, Capitão Hamlet-Nascimento, continue, tá tudo Beckett...

Hamlet-Nascimento: Beckett? Tudo Beckett, Beckett, Beckett. Ora, Beckett é um GRAAANDE Beckett...Beckett me deu enorme força para continuar Beckett. Falou a palavra mágica.

Repórter Sonsa: Mas...saindo no metrô você não tem medo de árabes?

Ofélia (entediada): Não és Beckett, não és nada.

Dramatuto (exaltado, tenta pegar o microfone): O que eu penso sobre o Sete de Setembro...Olha, tem o Onze de Setembro do Chile...Mas o Setember Eleven...ah, não ligo a mínima. Choro. Rio. Enlouqueço. Sentia tesão. Estava só num quarto de hotel. Bati uma punheta...(Prossegue falando baixinho, enquanto os debatedores e a plateia continuam falando mais alto).

Hamlet-Nascimento (levantando-se para ir embora, causando comoção na plateia): Said some things I had never said before.

Ofélia (salta e fecha as cortinas).

Repórter Sonsa (triste por ter sido ignorada): Acaba por aqui mais uma reporcagem sobre o dia Onze de Setembro: o dia que não acabou.

4 comentários:

Wilson Torres Nanini disse...

Lúcio,

creio que não importa quão ideológicos somos, todos carregamos um homem-bomba sempre prestes no bolso, e um onze-de-setembro muito particular no peito.


Abraços!

Revistacidadesol disse...

Oi, Wilson. A ideia é mais parodiar a cobertura insistente e boba do onze de setembro.

Eu acho até que eles foram misericordiosos, já pensou se tivessem jogado um avião numa usina atômica? Vimos aí com Fukushima qual teria sido o tamanho da encrenca.


O Hamlet-Nascimento é na verdade uma piada com o meu amigo Gerald Thomas (ele frequenta esse blog e em postagens anteriores chegou a postar).

Abs do Lúcio Jr!

Rodrigo Contrera disse...

ah, pessoal, por favor, relaxem. adoro o non-sense que tem todo o sentido do lúcio pirando por aqui. o resto deixe para os catadores de lixo, a rodo por aí.
abração
contrera (dramatuto, ahahaah).

Revistacidadesol disse...

Oi, Rodrigo e Wilson. Essa frase é poética, linda. Vou colar no meu facebook.

No mais, eu sou a favor da violência para legítima defesa. Esse tipo de atentado não levou a nada, só a acirrar os problemas, as guerras, a violências. Mas tem um lado bom: acelerou a história.

O que ficou foi um grande circo midiático.

Abs do Lúcio Jr!