domingo, 20 de abril de 2014

Resposta ao coletivo Lênin

O Coletivo Lênin, na verdade, coletivo de trotsquistas (ou seja, não-leninistas) publicou uma postagem  para lá de equivocada e irresponsável que busca relacionar o fato do Partido Comunista Peruano ter feito luta armada e a sede do PSTU ter levado umas pedradas por parte de alguns anarquistas, após o PSTU ter hostilizado alguns anarco-punks na manifestação de 1 de abril. Demonstrando impressionante corporativismo trotsquista, PCB, PSOL, PCML, LBI e agora o Coletivo Lênin se solidarizaram com o PSTU. 

Quem sabe o ataque aos anarquistas, à FIP e ao MEPR não será o elemento que faltava para unificar a "frente de esquerda" nas eleições? A verdadeira hostilidade dos grupamentos trotsquistas em relação à FIP e ao MEPR deve-se ao fato de que uma contradição latente, entre a esquerda ligada (ainda que minimamente, ao receber dinheiro do fundo partidário) ao estado e a esquerda que busca romper com o estado, tornou-se contradição aberta, antagônica.

O MEPR, como se vale de uma teorização e prática mais desenvolvida de marxismo, capitalizou a seu favor as manifestações. Compreendeu melhor a hostilidade das massas em relação ao estado, assim como sua impaciência com o legalismo das outras organizações, para quem até pular uma catraca é saltar fora do permitido. Investiu na comunicação e mostrou que está em ascenso. Ao errar redondamente ao hostilizar punks na manifestação, o PSTU sofreu um revide dos anarquistas e, ao invés de se emendar, criou uma farsa, buscando transformar a derrota em vitória atacando inimigos que os incomodam profundamente, pois mostram mais vigor e ameaçam superá-los. Por isso obteve solidariedade de cripto-trotquistas e trotsquistas em peso.

Não poderia ser mais equivocada a nota. O apelido "Sendero Luminoso" se deve ao fato de que eles cantam o maoísmo como um caminho luminoso a seguir. Mas o movimento partiu do PCP, Partido Comunista Peruano.

O artigo, na verdade, se opõe ao MAOÍSMO, apenas, por pose, não renega Mao, pois Mao tem prestígio, passando a acusar, como fazem intelectuais de direita peruanos, tais como Gonzalo Portocarrero, Abimael Guzmán de autor inaceitável, uma vez que ele ainda não detém o mesmo prestígio. Mao denunciou os trotsquistas chineses como colaboracionistas dos japoneses.

Foram os trotsquistas que tiveram, segundo a orientação do próprio Trotsky, a própria esquerda como inimigo número 1. A derrubada e o assassinato de Stálin e do partido bolchevique como objetivo principal, deixando em segundo plano a frente anti-Hitler, foi uma posição explícita de Trotsky. Mas ele fez mais: associou-se, às escondidas, com os nazis e os japoneses.

Abimael Guzmán não foi preso facilmente em 92. Essa é uma das falácias desse artigo matreiro, falso, traiçoeiro. Em 92, todos os membros do comitê central do PCP foram presos graças ao apoio da CIA e da intervenção norte-americana no Peru, disfarçada de operação antidrogas.

Para poder prendê-los, foi preciso simplesmente que a república democrática se tornasse ditadura totalitária, com estado de sítio e intervenções em jornais, universidades, assim como no parlamento. O exército passou a assassinar em massa. Jornalistas e políticos foram presos, ainda que não ligados ao PCP. Fujimori era apenas a face civil, neoliberal, de uma ditadura militar.

As contribuições originais do Pensamento Gonzalo, ao contrário do que supõem os trotsquistas, são as seguintes: 1) O PCP, liderado por Guzmán, ao levar, entre 1980-92, uma guerra popular, provou a universalidade e aplicabilidade do maoísmo. A estratégia de cercar as cidades através do campo deu certo, mas devido à queda do Leste Europeu, a correlação de forças ficou desfavorável ao PCP. 2) Mostrou que mesmo em condições adversas, contando com suas próprias forças, é possível mover uma guerra popular. 




segunda-feira, 14 de abril de 2014

Pronatec demite por e-mail: governo federal dando show de educação

Ao Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior Prezado Senhor; Servimo-nos do presente para agradecer-lhe pelos serviços prestados, durante o ano de 2014, na supervisão de cursos do PRONATEC, na Unidade Gestora de Bom Despacho. A partir de segunda-feira, dia 17/03/2014, não será mais necessário a sua atuação na Supervisão. Sem mais para o momento, despeço-me. Atenciosamente; -- Vinícius da Encarnação "A VIDA ESTÁ CHEIA DE DESAFIOS QUE, SE APROVEITADOS DE FORMA CRIATIVA, TRANSFORMAM-SE EM OPORTUNIDADES". MARXWELL MALTZ



Como se pode ver acima, ao demitir grosseiramente por e-mail, o Pronatec, do governo
federal, que deveria ser educativo, dá show de grosseira.
Isso, fora outras dificuldades que o programa tem apresentado: não se compromete a pagar mensalmente os professores ou supervisores, sempre atrasa. Trata-se do recurso ao qual o governo federal tem recorrido para não pagar direitos trabalhistas, a chamada "bolsa". É um salário baixo, claro. E embora a admissão seja condicionada a um concurso, ao chamar funcionários eles "saltam" pessoas que já estiveram no programa anteriormente e ficaram questionando demais.



domingo, 13 de abril de 2014

Safári Vida Loka

Meu amigo delegado me dizia que gostava de caçar,
De jogar com os presos o jogo do policial bonzinho e do maldoso.
Contava até mesmo de um safári na África.
No entanto,
quando lhe propuseram organizar um safári para caçar e matar jovens pardos e negros em Nova Serrana
A se chamar "Safári Vida Loka"
Ele ficou horrorizado.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

A polêmica PSTU X MEPR: trotsquismo em vias de superação?


A manifestação do dia 1 de abril no Rio contra a ditadura militar está sendo acompanhada de uma polêmica  interna na esquerda. O PSTU, com apoio do PSOL e do PCB, está em conflito com o MEPR, os anarquistas (ditos black blocks, porque fizeram um "bloco histórico" nada gramsciano entre umas onze organizações anarquistas), ou seja, está havendo um atrito entre os partidos legalizados e a frente dos movimentos não-eleitorais.

O elemento novo é a alegada violência da polêmica, que teria supostamente extrapolado o verbal. Há algum tempo os trotsquistas do PSTU são acusados por gente dos movimentos sociais de hegemonistas, ou seja, disputam sempre a direção, tomam frente dos movimentos a qualquer custo, mesmo que causando tumulto e constrangimentos e, por vezes, agressões. Já vi denúncias contra o PSTU, nesse sentido, na comunidade orkut do PCB e no grupo de Ciências Sociais da USP no facebook.

Agora, é o PSTU quem se disse agredido, publicamente, numa nota:


SEDE DO PSTU-RJ É ATACADA | Nesse dia 1 de abril, logo após o ato contra o golpe de 1964, uma série de provocadores se infiltrou nas fileiras do PSTU e seguiu seus militantes até a sede do partido. Lá, lançaram todo tipo de ameaça e provocação. "Desce daí PSTU" e "Cyro Garcia, nós vamos te quebrar", foram algumas das ameaças realizadas pelos provocadores. Mesmo os militantes do partido não cedendo às provocações, típicas de infiltrados da polícia, os provocadores invadiram parte da sede, quebrando vidraças do imóvel. Após a chegada de mais militantes e ativistas, o grupo de provocadores se dispersou. Nas imagens, o grupo de invasores se concentrando em frente à sede do partido e a destruição deixada pelos provocadores. Em breve, mais informações sobre esse fato grave e lamentável.


 Como se lê, o PSTU acusou o MEPR e os anarquistas de terem atacado sua sede no Rio. Em resposta, o MEPR alegou que o PSTU precisa explicar a agressão a dois militantes anarquistas, problema em função do qual teria surgido a questão em sua sede, pois outros anarquistas teriam ido até lá para tirar satisfações. Segundo o PSTU, a atitude teria terminado em ataques à sua sede. Segundo o MEPR, o conflito existiu, mas os danos teriam sido criados pelo próprio PSTU, que há muito provoca os anarquistas. E pediu ao PSTU que provasse suas acusações.

O PCB, que tem uma entidade ligada a ele funcionando no mesmo prédio (UJC) no mesmo prédio, parece solidário com o PSTU, assim como o PSOL. A nota da executiva do PSOL foi a seguinte:


A companheira Ana Cristina leu a nota da executiva do PSOL: "lamentamos profundamente que no dia 1o de abril, quando descomemorávamos o golpe militar, tenha acontecido um ataque com métodos fascistas ao Pstu Rio."
Daciolo demonstrou o seu apoio ao partido: "Conheço o PSTU há 3 anos e tenho uma admiração muito grande por vocês. Quando o Cyro me ligou ontem à noite imediatamente me prontifiquei a ajudar. Estou junto com vocês."
O dirigente do PCB Eduardo Serra relembrou a perseguição ao seu partido promovida pela ditadura militar e deixou o seu apoio: "o PSTU incomoda a burguesia porque é um partido que vai pra rua, vai pro enfrentamento, organiza os trabalhadores. Consideramos a agressão à sede do PSTU uma agressão ao PCB."
Cyro Garcia, presidente estadual do Pstu, fez um relato sobre o ataque à sede do partido e leu a nota oficial do partido: "O que aconteceu ontem não faz parte do método operário, esse é o método do stalinismo. Uma coisa é a divergência política, outra coisa é o que ocorreu conosco ontem."
Celio e Bruno, lideranças da greve dos garis do Rio, falaram de sua experiência de luta: "foi de grande experiência para a nossa luta o apoio dos movimentos sociais e de pessoas como o Cyro do PSTU e os companheiros do PSOL, que estavam ali solidários à nossa causa". Os garis fizeram denúncia da repressão: "hoje temos um governo do PT que permite que a PM bata em trabalhador. Vivemos em uma democracia que por trás dela tem uma ditadura."
Aderson Bussinger, advogado e membro comissão de DH da OAB, disse que a Ordem deve lançar nota condenando o ataque à Sede do PSTU. Aderson esteve na ocupação militar do complexo da Maré e denunciou a repressão aos moradores.
Na fotomontagem, em sentido horário: bombeiro Daciolo; Eduardo Serra (PCB); visão geral da mesa com Aderson Bussinger (vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, os companheiros garis Bruno e Celio, Américo Gomes (membro do Conselho Consultivo da Comissão da Verdade da ALESP), Florinda Lombardi, Cyro Garcia, entre outros comps; Ana Cristina Carvalhaes, do PSoL.
Fotos: DB. — com Cyro Garcia em Sindipetro-RJ


Um integrante do PSTU atribuiu os ataques ao stalinismo (para variar). Oxalá isso signifique parte do processo, já observado aqui como premente, de superação da hegemonia do trotsquismo na esquerda brasileira. Patrick Granja, repórter do jornal A Nova Democracia e preso injustamente ao cobrir a manifestação, sem que nenhum dos partidos acima tenha soltado uma nota em solidariedade, escreveu o seguinte:


 ESCLARECIMENTO SOBRE O ATAQUE À SEDE DO PSTU-RIO
 
Ontem, eu e Bruno Matiazzo estávamos passando pela Lapa de taxi indo em direção ao estacionamento do Ibmec, onde nosso carro estava estacionado, quando nos deparamos com um furdunço em frente à sede do PSTU-Rio. Prontamente, eu pedi para o Bruno descer do carro e apurar o que estava acontecendo e segui em direção ao estacionamento. Quando vi que havia outros midiativistas (Thiago Dezan da Mídia NINJA, André Miguéis, da Mídia Independente Coletiva - MIC, Daniel Cruz, do Coletivo Mariachi) no local, achei que pudesse ser uma coisa séria.
Quando voltei, rapidamente desci do carro e pedi para que o Bruno e todos os outros midiativistas embarcassem, pois alguns movimentos estavam fazendo uma projeção de dentro da faculdade de direito da UFRJ no prédio do Ministério da Defesa e eu havia prometido lhes dar cobertura. Nem entramos muito no mérito do que estava acontecendo, mas todos nós havíamos acabado de voltar do IFCS, onde um grupo de anarquistas dizia ter sido agredido por militantes do PSTU durante o ato em repúdio ao golpe de 1964. Eles chegaram a convidar militantes do Movimento Estudantil Popular Revolucionário - MEPR para ir à sede do PSTU tirar satsifação, mas a unidade do MEPR não concordou com a ação.
Todos nós temos material filmado comprovando que:
1 - O MEPR não participou da ação,
2 - Não havia sequer um grupo de linha maoísta entre os agressores,
3 - Nossa equipe estava alí - e nas imagens o Bruno repete isso o tempo todo - para saber o que estava acontecendo e para garantir o direito à verdade dos fatos. Inclusive, em um momento, o Daniel Cruz quase foi atingido por uma pedra,
4 - Os vidros de uma sala da sede foram quebrados e uma madeira que protegia o portão de entrada foi arrancada. No entanto, os manifestantes não conseguiram acessar o local onde estavam os integrantes do PSTU, o que leva a crer que as imagens do interior da sede aos pedaços postadas na página do partido foram forjadas por eles mesmos.
Se um integrante da FIP faz uma besteira, é uma irresponsabilidade dele, não da Frente Independente Popular - RJ como um todo. Além disso, ontem recebi uma ligação da deputada Janira Rocha dizendo que estavam envolvendo meu nome nessa história, só por conta dos segundos em que saí do carro para chamar o Bruno. Fomos ali cordialmente (nas gravações o Bruno esbanja educação e deixa claro que está ali para garantir a segurança de todos) e agora vemos toda essa desinformação promovida pelo PSTU.
A minha posição pessoal é a seguinte. Que esse partido não conte comigo para nada. Afinal de contas, em meus 12 anos de militância, já ví inúmeras demonstrações do mais barato dos oportunismos por parte dessa gente que se diz "esquerda" e organização "dos trabalhadores". Essa é só mais uma. Envolver EM UM BOLETIM DE OCORRÊNCIA NA DELEGACIA E EM UMA NOTA PÚBLICA o nome de um coletivo combativo e de pessoas que nada tiveram a ver com o ocorrido é uma irresponsabilidade típica de quem não tem projeto político, base política, nada. Eu que subo e desço favela todo dia, sei bem disso.
Não defendo a razão de quem agiu para quebrar a sede do PSTU, mas admito que, desde sempre, mas em especial depois de junho do ano passado, o PSTU vem tomando posições complicadas que têm os colocado do lado oposto à luta das massas e, assim, "Uma faísca pode incendiar toda a pradaria", como diz o provérbio chinês. E a tendência é piorar, visto que daqui uns meses, todos os seus militantes estarão nas ruas misturados às inúmeras legendas fazendo campanha para ter um espaço no Estado burguês.
Avisamos que caso essas informações não sejam removidas ou corrigidas na página do PSTU, publicaremos um vídeo desmascarando toda essa farsa veiculada pela internet. Só não o fizemos ainda porque, convenhamos, temos mais o que fazer.Eleição é farsa, não muda nada não.
O povo organizado vai fazer revolução!



Resposta ao Anônimo







Anônimo disse...
Acompanho o site do camarada Cristiano desde o ano 2003, e pelo que tenho visto o camarada em questão também dirige movimentos e forma grupos de estudo. Seu site em si tem um valor inestimável, já que é o único que tem coragem de traduzir textos de capital importância para a nossa língua portuguesa.
Dizer que Cristiano expulsou você por causa de debates é mentira. Você não debatou, só caluniou ele alegando que ele queria exterminar gays, depois ainda fez isso daenovo através de fake. É triste que uma página que antes julgava séria como essa revista tenha se transformado numa página de fofoca...



Caro anônimo (ou Cristiano)?:


Desconheço se Cristiano dirige movimentos e forma grupos de estudo. Já que você veio aqui, poderia declinar quais. Estou curioso, pois pelo que vi, ele não sabe trabalhar em equipe.

Cristiano tem blog, não site, que eu saiba. Conheço apenas o Página Vermelha, é um blog. Ele não é da minha confiança, está envaidecido demais. É um ego carente, quem sabe devido à origem humilde. Um dia ele melhora.

Sim, infelizmente, ele não consegue debater com quem argumenta e não concorda com ele. É individualista. Ele se enfurece e dá tratamento de inimigo. Sim, ele tem tirado uma frase de Maksim Gorki do contexto e passado a disseminar, com sarcasmo, que "exterminando os homossexualistas se exterminará o fascismo". Não fiz nada através de fake. Para mim, essa frase tomada assim fora do contexto estimula  a ideia da violência contra os LGBTT. Isso é crime. Mas o texto do Gorky é  bom, em linhas gerais. Um homem de verdade deve honrar as calças que veste e dar a cara para bater, assumindo o que diz, não utilizando fakes. 

Quem passou a atacar o nosso nobre colega "conservador de esquerda" foram outras pessoas que se sentiram atingidas. Que arque com as consequências! Eu não vou ser conivente com gente que gosta de falar em "nazibolchevismo". Acho isso uma bobagem.

Cristiano é muito poser para meu gosto. Gosta muito de posar e tirar fotos, inclusive de ver sua própria cara até na parede. Eu detesto esse narcisismo, acho repugnante. Eu prefiro o diferente, o oposto, do que ficar no eterno retorno do Mesmo, fazendo amor com meu próprio ego. Por outro lado, qualquer defesa de alguém como Jean Wyllys o indigna, fazendo com que passe a vociferar que ele e o deputado fascista Bolsonaro são "abominações". 

E outra, meu caro: isso não É FOFOCA. Isso é discussão e, principalmente, tem importância histórica. Cristiano pegou umas frases pela web, dizendo que Marx renegou Hirschfeld, dizendo que o que ele escrevia eram "obscenidades em forma de teoria" e por aí vai, vomitando isso como se fosse a última "posição marxista-leninista".

Se você prefere apostar nas posições dele, achando-as melhores do que as dessa revista, boa sorte! Mas para mim, é canoa furada.



sábado, 29 de março de 2014

Adélia Prado é uma péssima poeta

"Homem é tão singelo. Eu sou singelo. Fica singela também". No Meio da Noite, Adélia Prado


Um amigo poeta uma vez me disse que Adélia Prado é uma péssima poeta.
Anderson Piva contou a história de que Brecht teria dito sobre os Processos de Moscou:
Quanto mais inocentes, mais deveriam morrer.
No entanto, Brecht escreveu num poema: "o povo é infalível?"
Meu amigo poeta esteve em clínicas psiquiátricas.
Esteve na torcida do Flamengo.
Esteve no PT, que dizia ser o maior partido de massas da América Latina.
Tentou suicídio com remédios,
Lançou poemas, pariu editoras sobre o universo.
Escreveu contos a respeito.
Meu amigo quis ser dominicano,
Mas não quiseram seu transtorno bipolar.
Eu disse a meu amigo para ser somente escritor.
Entre lágrimas, concordou.
Mas depois afirmou ser vocacionado jesuíta.
Desisti de meu amigo.
Mas com certeza, deve ser certo teu juízo, meu amigo.
Adélia Prado é péssima poeta.