sábado, 14 de novembro de 2015

Luz Guia para o Abismo em Relação a Pol Pot

Num artigo extenso e cheio de tolices, Augusta Luz expõe seu megalomaoísmo atacando Pol Pot e o Khmer Vermelho.

Embora tenha apoio do comentarista Jason Unruhe, que eu respeito, as teorias do "linpiaoísta" Augusta Luz, ao meu ver, estão no mesmo pé dos maoístas italianos que recentemente declararam apoio ao Estado Islâmico (!). Nos comentários de seus vídeos, há quem denuncia que estão sediados em Denver, juntamente com a CIA. E podemo supor que há apoio da CIA ao Estado Islâmico, que nada mais é do que a Al-Quaeda na Síria e no Iraque.

A Luz Guia também lança sua "luz" sobre Pol Pot. Ele apressadamente acusa o Khmer Vermelho de: 1) ser uma organização nacionalista, chauvinista e, 2) depois de ter se aliado à China, ter ficado amigo dos Estados Unidos. 

Ele "esquece" --muito significativo para uma organização nortea-americana --que o Khmer Vermelho derrotou uma ditadura financiada e armada pelos norte-americanos. Isso não seria possível sem uma estratégia correta e o apoio das massas. Há acertos, então, a verificar na prática do Khmer Vermelho.

Em primeiro, o Khmer Vermelho usou a estratégia de cercar as cidades, num país rural, através do campo. Em segundo, agiu sempre em segredo, usando o nome de "organização" (Angkar). Ninguém sabia quem era o líder. No período em que esteve na semi-legalidade, ao tempo do rei Sihanouk, que fazia política nacionalista para fora do país e por dentro era repressivo com relação aos movimentos sociais, eles atuaram nos espaços parlamentares possíveis, mas sempre focando na estratégia de mobilizar os camponeses.

O artigo todo acusa o Khmer Vermelho de dogmático, mas ao mesmo tempo de oportunista. Ou seja, eles mudam de posição conforme a ocasião e são ao mesmo tempo presos rigidamente a princípios do passado. A Luz Guia afirmou:

"O Khmer Vermelho não praticou o gradualismo maoísta. A mais infame prática do Khmer Rouge foi o esvaziamento das cidades. Populações inteiras foram chamadas de pessoas novas e tratadas como inimigos de classe. Eles perderam suas propriedades e marcharam das cidades para o campo onde trabalharam sob a mira de baionetas".

Quanta estupidez! Claro que praticou, tanto que o Khmer era o partido comunista do Cambodja, mas o movimento todo era uma frente que incluía os nacionalistas do rei Sihanouk.  A retirada das cidades para o campo aconteceu devido ao fato de que, quando o Khmer conquistou a capital, tanto os revisionistas soviéticos e vietnamitas quanto os norte-americanos deixaram a cidade cheia de agentes e espiões. O Khmer descobriu o plano: na cidade faminta, o governo seria derrubado e sabotado por esses agentes. Foi feita, então, a retirada para o campo, para as cooperativas, onde as pessoas passaram a trabalhar e se alimentar. Nas cidades vazias, foi estimulada a plantação de hortas nos jardins. A capital passou a ser meramente uma cidade administrativa. Não havia, aliás, saída: ou a população saía ou morria de fome, pois a cidade estava cheia de refugiados e o campo estava destruído. Finda a ajuda humanitária norte-americana, a situação era caótica e a cidade não comportava a população que tinha.


"Tenha cuidado para não dar abrigo a um navio pirata". Com certeza uma boa advertência para quem se aproximar da Luz Guia. Khmer Vermelho esteve à frente de um movimento de libertação nacional que, além de libertar o povo cambojano da ditadura militar, ainda buscou levar adiante sua reivindicação em relação a territórios que o povo Khmer tinha perdido para o Vietnã séculos antes, inclusive regiões onde vivem cambojanos étnicos. 

O artigo acusa o Khmer Vermelho de dogmatismo, mas deixa totalmente na sombra o papel cruel da URSS e do Vietnã em invadir o Cambodja Democrático em 1975. O papel de Cuba de Fidel foi especialmente sórdido e ainda hoje Cuba justifica essa invasão altamente trágica, pois causou uma grande fome e tragédia humanitária. Anteriormente, quando rei Sihanouk denunciava o papel sujo que a URSS jogava no Cambodja, abrindo embaixada e reconhecendo a ditadura do ditador Lon Nol, mero fantoche norte-americano, Fidel Castro saía em defesa dos soviéticos. 

O apoio dos USA e Inglaterra ao governo do Khmer foi devido ao fato desse governo ser o que a ONU considerava legítimo. No entanto, esse apoio -- ajuda humanitária -- foi retirado em 1983, com o não-reconhecimento do governo do Khmer Vermelho. O Khmer Vermelho hoje é uma organização degenerada, ligada ao velho estado, enquanto o país voltou a ser uma miserável colônia dominada por multinacionais norte-americanas e francesas. O Vietnã ainda tem muita influência sobre o governo do primeiro ministro Hu Sen, ex-Khmer Vermelho. Entre 1979 e 1991, o país viveu praticamente como colônia vietnamita, pois a fronteira era aberta e o partido no poder, fantoche dos vietnamitas.

Tanto os naxalitas quanto Pol Pot adotam uma versão muito diferente para o caso Lin Piao do que os "linpiaoístas" da Luz Guia. Para eles, Lin Piao foi confucionista e autoritário. Como isso destrói o miolo da  vertente linpiaoísta, evidentemente eles detestam o Cambodja Democrático e Pol Pot.















Nenhum comentário: